A abrir.
Por favor aguarde.

21 342 02 77/78

geral@casadaimprensa.pt

Notícias

HomeNotícia Detalhe
HomeNotícia Detalhe
13 dez 2022

Duas reuniões da Assembleia Geral convocadas para 19 de dezembro

Os associados da Casa da Imprensa estão convocados para duas reuniões consecutivas da Assembleia Geral, na próxima segunda-feira, dia 19, a partir das 18:30 horas. Ambas as reuniões decorrem simultaneamente na sede associativa, em Lisboa, e na Delegação do Porto, com ligação por videoconferência. Na primeira, em sessão ordinária, vai ser debatida e votada a proposta de Programa de Ação e Orçamento para 2023. Logo a seguir, em sessão extraordinária, a Assembleia vai deliberar sobre uma proposta de atualização do Regulamento de Benefícios, igualmente apresentada pela administração.

Na proposta de Programa de Ação o Conselho de Administração (CA) da Casa da Imprensa (CI) tem como grande objetivo “fechar o tormentoso ciclo iniciado em 2020 com a pandemia, agravado na parte final pela crise inflacionária provocada pelo estado de guerra para que fomos arrastados”. Isto significa, diz o CA, “recuperar o equilíbrio operacional, voltar a resultados positivos, garantir a sustentabilidade das modalidades de benefícios, reforçar a natureza mutualista e associativa da CI em todo o âmbito da sua atividade e lançar novos projetos de adequação da Casa da Imprensa aos desafios e possibilidades dos tempos que vivemos”.

Para atingir estes objetivos o CA considera essencial a adoção de um “plano de reestruturação” que implica alterações ao Regulamento de Benefícios, a votar em Assembleia Geral Extraordinária.

Com este plano são niveladas por cima as condições de subscrição que hoje correspondem ao Plano de Proteção Base (comum a todos os associados) mais o Plano de Proteção Complementar de Internamento Hospitalar (já subscrito por dois terços do total de associados). Todos os novos associados e os que atualmente já subscrevem este plano complementar terão a cobertura do risco de hospitalização, vitalícia e sem exclusões de qualquer natureza, com comparticipação de 100% das despesas até 60 mil euros por anuidade. A franquia por internamento aumenta de 250 para 750 euros (“uma das correções impostas pelo atual desequilíbrio nos resultados desta modalidade”, admite o CA).

Os associados que atualmente não subscrevem o plano complementar de internamento terão uma melhoria gradual e automática dos benefícios durante um “período de convergência” com a duração de quatro anos. De 2023 até 2026, o limite de cobertura aumenta gradualmente dos atuais 25 mil euros por anuidade para os 60 mil e a franquia por internamento baixará, ano após ano, dos atuais 3.000 euros para 750 euros.

Os valores da quota associativa e da quota da modalidade de Saúde são ajustados. Os associados que atualmente já subscrevem o plano complementar de internamento hospitalar e pagam quotas no valor de €18,00/mês, correspondentes à quota associativa (€1,00), mais a quota base da modalidade (€8,00) e a quota complementar de internamento (€9,00), passarão a pagar €23,00 em 2023 e €24,00 euros a partir de 2024. Para os que ainda não subscrevem o plano complementar de internamento as quotas aumentarão gradual e automaticamente, até atingirem aquele valor no final do período de convergência, com um aumento de €4,00/mês em cada ano.

O plano de reestruturação prevê duas outras alterações de especial importância no Regulamento de Benefícios: a redução do limite de idade para a admissão de novos associados de 65 para 60 anos e o fim da obrigatoriedade da subscrição da modalidade de Saúde.

A subscrição de qualquer modalidade (Saúde, Capital Pagável por Morte ou Previdência-Reforma) passa a ser opcional e inclusivamente será possível não subscrever nenhuma delas. Neste caso, o associado terá todos os direitos associativos, incluindo os de votar e ser eleito, e terá acesso aos benefícios da Solidariedade Associativa, aos serviços clínicos da associação e aos apoios financiados pelo Fundo de Ação Social, com o pagamento da quota associativa, no valor de €8,00/mês.

Despesa ultrapassa o milhão de euros

Na proposta de orçamento prevê-se que a despesa global das modalidades mutualistas da Casa da Imprensa em 2023 ultrapasse pela primeira vez o milhão de euros, para atingir numa base anual 1 071 088,35 euros, um acréscimo de 24,9% relativamente ao orçamento de 2022. Os rendimentos crescem 28,3%, para 1 089 263,90 euros. O resultado esperado do exercício (numa base anualizada) é de 18 175,55 euros.

As maiores despesas correspondem aos custos diretos dos benefícios (cuidados de saúde e subsídios), que se estimam em 626 753,15 euros. Seguem-se os custos com pessoal, com 205 419,10 euros.

Nos rendimentos, a principal fonte de receita vem das quotas das modalidades que os associados pagam (mais de 660 mil euros), dos rendimentos prediais (mais de 180 mil euros) e das transferências do Fundo de Ação Social (cerca de 125 mil euros). No conjunto estas três fontes de rendimentos cobrem 91% da despesa global, cabendo à quotização 62,3%.

As rendas, cuja quebra nos anos anteriores, devido à pandemia e à crise económica, foi a principal causa dos resultados negativos, deverão recuperar as perdas e mesmo ultrapassar os melhores anos do passado. As transferências do FAS, pelo seu lado, baixam 10%, mantendo-se a orientação dos últimos anos de reduzir o esforço do fundo que é destinado a financiar os apoios sociais.

A proposta de orçamento do FAS prevê uma despesa de cerca de 278 320,61 mil euros em apoios sociais.

A maior despesa orçamentada continua a ser a transferência para a Casa da Imprensa feita a título de prestação de serviços. Esta rubrica tem uma redução de 10%, mantendo-se assim a orientação seguida nos últimos anos de diminuir a despesa do fundo, numa perspetiva de médio e longo prazo.

A despesa prevista para apoios sociais diretos ultrapassa os 152 mil euros, dos quais mais de 50,46 mil euros são destinados à comparticipação de despesas de saúde e 20 mil euros a subsídios eventuais a conceder em caso de risco social agravado. A despesa com a comparticipação de quotas da modalidade de saúde ultrapassa ligeiramente os 80 mil euros.

Parecer do Conselho Fiscal

O Conselho Fiscal (CF) deu parecer favorável à proposta de Programa de Ação e Orçamento, destacando a “fundada expectativa” relativamente à “melhoria das contas”, decorrente em particular da “evolução esperada das receitas com rendas” prediais.

O CF salienta igualmente a adoção de um plano de reestruturação que “tem um importante objetivo de reforço da sustentabilidade da Casa da Imprensa, tornando-a mais resistente à conjuntura”, e aumenta a “mutualização das contribuições e riscos”.

O CF nota que o aumento das quotas “traz consigo alguns riscos, especialmente numa conjuntura de degradação do poder de compra como é a presente”, e por isso recomenda um acompanhamento ativo da evolução do número de associados e sugere que se aproveite a oportunidade de maior clarificação dos benefícios para realizar uma campanha dirigida a potenciais futuros associados, com uma ação mais eficaz nas plataformas digitais para dar a conhecer a Casa da Imprensa, especialmente aos mais jovens.

“A sustentabilidade financeira a longo prazo da Casa da Imprensa só se vai conseguir assegurar se houver a capacidade para atrair cada vez mais associados”, defende o CF.

 

Categorias: Casa da Imprensa   Benefícios   Solidariedade Associativa   Saúde  

Contacte-nos:
21 342 02 77/78 (Lisboa)    22 510 5310 (Porto)    geral@casadaimprensa.pt

Casa da Imprensa Logo

Quero ser associado


Podem ser associados da Casa da Imprensa os jornalistas e restantes profissionais da comunicação e dos audiovisuais, os autores de obras científicas, literárias e artísticas e os respetivos familiares. Veja as vantagens. Pode aderir aqui.
Este site utiliza cookies para obter dados estatísticos de navegação.
Se continuar a navegar consideramos que aceita o uso de cookies. OK | Mais Informações